sábado, 30 de janeiro de 2010

Siriguela –Fruta Notável

siriguela Siriguela –Fruta Notável

Quase não se houve falar dessa fruta de sabor doce, cor amarelo-opaca e leves tons de vermelho.

Ela é rica em antioxidantes, compostos que atuam contra os temidos radicais livres, que danificam as células, causando tumores.

Porém, não se sabe ao certo, se há quantidades suficientes dessa substância para prevenir a doença. Mas, não deixa de ser uma aliada para o organismo.

Saiba também que a siriguela é cheia de fibras, que contribuem para o intestino e auxilia na redução das taxas de colesterol. Fonte de carboidratos, ela é uma alternativa energética de peso, apropriada á pessoas que praticam atividades físicas com freqüência.

Aproveite, para experimentar essa fruta quando encontrá-la nas feiras e mercados!

É eficaz contra anemia, inapetência e a diminuição dos glóbulos brancos.

A árvore da siriguela é de porte médio (3 a 5m), contendo bastante galhos onde são desenvolvidas os frutos em forma de caixos. Sua frutificação se dá nos meses de outubro e novembro, sendo colhida entre os meses de dezembro e janeiro. Seu fruto é de cor verde, passando a amarelo quando maduro. A região Sul do Ceará é hoje o maior produtor da fruta.

De sabor original e muito cremosa, a polpa de siriguela Doce Mel mantém as propriedades nutricionais da fruta que é rica em Carboidratos, cálcio, fósforo, ferro e vitaminas A, B, C.

Informações Nutricionais - Polpa de 100g
Calorias 80 kcal
Proteínas <1>
Carboidratos 20 g
Gorduras Totais 0 g
Gorduras Saturadas 0 g
Colesterol 0 mg
Fibra 0,4 g
Cálcio 0 mg
Ferro 1 mg
Sódio 0 mg





sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Pressão alta atinge um em cada três brasileiros

A dificuldade do diagnóstico é pela falta de sintomas claros. Os médicos alertam para necessidade da medição da pressão pelo menos uma vez ao ano na população adulta.
O coração humano bombeia em média quatro litros de sangue por minuto. É como se ele tivesse uma porta de entrada e saída. As artérias levam sangue para fora do coração e as veias trazem de volta. A pressão está no movimento de contrair e relaxar.

Quando essa pressão aumenta acima do limite o indivíduo é hipertenso. A pressão ideal é de 12.8. Acima de quatorze por nove está diagnosticada a pressão alta.

“Esse aumento da pressão vai lesando o aparelho do vaso de tal maneira que vai facilitando o aparecimento da placa de gordura na parede da artéria”, explica Otávio Rizzi Coelho, cardiologista da Unicamp.

Cerca de 300 mil brasileiros morrem, por ano, de doenças cardiovasculares como derrame e infarto. A hipertensão se tornou uma das principais causas devido ao diagnóstico difícil, pois, na maioria das vezes, não apresenta sintomas.

“Ela passa silenciosa durante muitos anos e nós só vamos descobrir a pressão alta quando temos infarto, derrame ou insuficiência renal”, completa o cardiologista.

A hipertensão não tem uma causa definida. A ciência sabe que ela pode ser genética ou desencadeada por hábitos prejudiciais à saúde como: excesso de álcool, fumo, obesidade, falta de atividade física e má alimentação.

Os médicos apontam outro vilão para o surgimento da doença: o excesso de sal na comida. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão o consumo diário ideal é de apenas seis gramas por dia, o que equivale a uma colher de chá, mas a média brasileira é o dobro disso e a saúde cobra pelo exagero.

A pressão alta atinge pessoas cada vez mais jovens. Daniel Abdala Ramalho, jornalista, tem 22 anos e já convive com o problema. Faz o controle com remédios e alimentação mais saudável. “Evito muito o sal, gordura e de manhã não exagero na manteiga, um pão mais light. A minha vida melhorou muito depois que tive essa reeducação”.
Fonte: Jornal hoje

Quinoa

Conheça os benefícios da quinoa, grão rico em ferro, fósforo, cálcio e vitaminas.

QuinoaA quinoa, mesmo não sendo tão conhecida no Brasil quanto a soja ou a linhaça, grãos considerados muito benéficos para a saúde, aos poucos começa a fazer parte do cardápio dos brasileiros, que buscam os benefícios desse alimento, rico em ferro, fósforo, cálcio, vitaminas B1, B2 e B3.

A quinoa possui também vitaminas C e E, embora em menores quantidades. Grão originário da Bolívia, a quinoa tem alto poder nutritivo, e além da grande quantidade de vitaminas e minerais, é bastante rica em fibras.

O consumo da quinoa é mais difundido na forma de grãos, podendo ser utilizada no preparo de pães, pudins, mingaus, massas para biscoitos ou panquecas, ou da forma que melhor agradar ao paladar do consumidor. É possível também cozinhar o grão e usá-lo na salada, ou em sopas ou junto com o arroz. No entanto, também as folhas podem ser consumidas refogadas e os botões das flores cozidos como brócolis.

Vale lembrar que é recomendável lavar os grãos da quinoa em água quente antes de consumi-los, para que sejam melhor aproveitados os valores biológicos de suas protéinas.

Base da alimentação no império Inca, a quinoa ficou conhecida como grão sagrado. Outros benefícios do consumo desse cereal (que pode ser encontrado também na forma de flocos e farinha), são a prevenção de doenças como câncer de mama, osteoporose e problemas cardíacos. Ajuda, ainda, a melhorar a imunidade e a memória e a recuperar os tecidos.

A Organização das nações Unidades para a Agricultura e Alimentação (FAO) já deu o aval a esse alimento que ainda não está popularizado no Brasil, mas já vem sendo cultivado, já que se adapta a qualquer tipo de solo, seja seco ou úmido e é resistente ao frio e ao calor.

Consumida há 10 mil anos pelos povos indígenas, a quinoa foi redescoberta pelos povos andinos e tem a Bolívia como o seu maior produtor mundial. No Brasil, vem sendo pesquisada desde a década de 80 pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (Embrapa), que tenta adaptá-la ao solo de cerrado e os resultados têm se mostrado promissores, já que as características genéticas da espécie produzida no Brasil não diferem muito da andina.

Quinoa Informação Nutricional Quantidade
Calorias 120kcal
Gorduras 1,9g
-Saturadas 0,0g
-Trans 0,0g
-Colesterol 0,0g
Carboidratos 17,6g
Fibras 2,8g
Proteínas 4,4g

Hoje em dia, quando é grande a preocupação com alimentação saudável e balanceada, a quinoa pode ser uma opção para quem tem prisão de ventre. Rica em fibra, ajuda no bom funcionamento do intestino e é boa também para quem faz dieta com o intuito de emagrecer. É que o consumo da quinoa prolonga a sensação de saciedade. Representa uma ótima fonte nutricional para populações mais carentes. Serve de opção para celíacos, já que não contém glúten e para vegetarianos, pois substitui perfeitamente o consumo de carne vermelha. E mais: é indicada para idosos e para atletas que treinam pesado.

As gorduras, cientificamente conhecidas como lipídeos, foram por muito tempo consideradas vilãs. As gorduras são geralmente associadas aos níveis de colesterol no sangue. Hoje sabe-se que uma dieta saudável necessita de gorduras e que, até mesmo para perder ou manter o peso, as escolhas realizadas no dia a dia em relação aos tipos de gorduras é um fator essencial para o sucesso de qualquer dieta.

O que são gorduras?

Conceito: Gorduras são moléculas incapazes de se misturar com água. Gorduras são as formas mais eficientes de armazenamento de energia.

Tipos de gorduras

As gorduras são classificadas em tipos de acordo com sua composição química.

Triglicerídeos: são usados para armazenar energia nas células adiposas. Formados por uma molécula de glicerol condensada com 03 moléculas de ácidos graxos.

Ácidos graxos: são longas cadeias de carbono e hidrogênio que constituem os triglicerídeos. Classificados em:

  • Ácidos graxos saturados: Possuem longas cadeias retas, pois as ligações entre os átomos são simples. Geralmente são sólidos a temperatura ambiente.
  • Ácidos graxos monoinsaturados: Possuem longas cadeias com uma dobra, pois existe uma ligação dupla entre seus átomos. Geralmente líquidos a temperatura ambiente.
  • Ácidos graxos poliinsaturados. Possuem longas cadeias com mais de uma dobra, pois existem duas ou mais ligações duplas entre seus átomos. Geralmente líquidos a temperatura ambiente.

Colesterol: tipo de gordura formada por cadeias cíclicas de carbono. Estão presentes principalmente na constituição das membranas celulares e possuem papel no metabolismo de hormônios esteróides.

Digestão das gorduras

Os triglicerídeos são geralmente digeridos no intestino delgado, onde enzimas chamadas lípases quebram a molécula em seus dois constituintes: o glicerol e os ácidos graxos, que são absorvidos e em seguida remontados como triglicerídeos para seguirem pelo corpo através do sangue e da linfa, como quilomicrons.

O colesterol não precisa ser digerido para ser absorvido. No entanto é importante saber que a maior parte do colesterol do organismo é produzida pelo próprio organismo, sendo apenas 25% proveniente da dieta.

Metabolismo das gorduras e do colesterol

Após a digestão, a próxima é etapa é a absorção. As gorduras e o colesterol não podem se dissolver em água ou mesmo no sangue. Para isto, o organismo lança mão de proteínas carreadoras que embalam as gorduras e as transportam pelo sangue até os tecidos. Existem 02 tipos principais destas proteínas:

  • LDL, lipoproteína de baixa densidade: Transporta o colesterol do fígado para abastecer o restante do organismo. Quando existe excesso de LDL colesterol, estas partículas tendem a se depositar nos vasos sanguíneos causando inflamação e entupimentos na circulação. Por este motivo, o LDL é freqüentemente apontado como colesterol ruim.
  • HDL, lipoproteína de alta densidade: Remove o colesterol da corrente sanguínea e o transporta de volta para o fígado. Funciona como um agente de limpeza das artérias. Por isto é chamado de colesterol bom.

Os tipos de gorduras da dieta são os principais determinantes do nível de colesterol na corrente sanguíne, ou seja, dependendo do tipo de gordura ingerida existe maior ou menor produção de LDL (colesterol ruim) e HDL (colesterol bom).


Os benefícios do ômega 3

Descubra os benefícios do ômega 3 e quais as melhores alimentos fontes deste ácido graxo essencial.

http://www.pesca.tur.br/wp-content/atum_azul.jpg
O omega 3 é um tipo de gordura, conhecido como ácido graxo essencial pois é muito importante para uma boa saúde.
O corpo humano não é capaz de produzir omega 3, tendo que obtê-lo da alimentação.
Um grande número de pesquisas vem demonstrando os benefícios do omega 3 para o coração e todo sistema circulatório.
Os benefícios do omega 3 incluem:

* Atividade antiinflamatória;
* Atividade anti-trombos (entupimento dos vasos sanguíneos);
* Redução dos níveis de colesterol e triglicerídeos e
* Redução da pressão arterial.
Os benefícios do omega 3 estendem-se para a redução do risco de desenvolver diversas doenças, incluindo:
* Diabetes;
* Acidente vascular cerebral (derrame);
* Artrite reumatóide;
* Asma;
* Síndromes inflamatórias intestinais (colites);
* Alguns tipos de câncer;
* Declínio mental.
Alguns estudos também indicam que o Omega 3 traz benefícios para o humor, o aprendizado e para o sistema imunológico.
Os melhores alimentos ricos em ômega 3
As melhores fontes de omega 3 são os peixes, algumas espécies possuem maior quantidade.
Peixes ricos em omega 3
Cavala
Arenque
Sardinha
Salmão
Atum
Bacalhau
Outras importantes fontes de omega 3:
* Semente de linhaça
* Castanhas e nozes
* Óleos vegetais (azeite, óleo de soja, canola)
* Vegetais de folhas verdes escuro.
Quanto consumir?
Recomenda-se a ingestão de pelo menos 2 porções de peixe por semana, mas se for possível incluir outras fontes de omega 3 maiores serão os benefícios.
O que evitar?
Os peixes devem ser assados, cozidos ou grelhados. Não se deve fritá-los, pois este processo destrói o omega 3.
Alguns peixes são pobres em omega 3, dentre eles a tilápia, que contém quantidades de Omega 6 semelhantes à carne vermelha.
Apesar de os benefícios do ômega 3 serem comprovados cientificamente, seu consumo numa dosagem muito além daquela encontrada nos peixes preocupa os pesquisadores, pois ainda não se sabe que efeitos essas altas doses podem ter no organismo a longo prazo. Atualmente ele é largamente comercializado nas farmácias na sua forma concentrada em cápsulas, algo que ainda não foi avaliado pela ciência.

Fitoterapia: Benefícios do alho

http://www.estadao.com.br/fotos/alho(2).jpg
Allium sativum é a sua designação em Latim e referimo-nos ao alho comum.
Regra geral quase todos nós utilizamos os dentes de alho na nossa alimentação como tempero, a verdade é que ele tem mais propriedades agradáveis além do paladar.
Muito utilizado, desde a antiguidade, os estudos têm vindo a comprovar a sua real eficácia. Outrora as pessoas comiam ou engoliam dentes de alho, hoje já não é necessário – um dos benefícios da actualidade :lol: as cápsulas! – vieram evitar esse desconforto, mas sobretudo vieram aumentar a quantidade de óleo concentrado responsável pelos efeitos benéficos.
O Alho tem várias aplicações… afastar "montros reais" como as bactérias, vermes, parasitas… Estes não atacam em noite de lua cheia mas também nos “sugam”
As aplicações do alho regra geral são as seguintes:
Antibiótica
Anti-inflamatória
Anti-microbiana
Anti-asmática
Anti-oxidante
Anti-cancerígeno
Protector cardiovascular
As patologias ou sintomas a serem tratados pelo alho são muito vastos, mas pode-se resumir a sua eficiência em:
Distúrbios gastrointestinais, colesterol elevado, tensão arterial elevada, asma, bronquite, gripe, dores de dentes e mais recentemente os estudos comprovam a sua eficácia em cancro da mama e próstata.
O Alho deve ser consumido cru, pois após ser aquecido ou transformado, perde ou transforma as suas propriedades benéficas. No caso das cápsulas, estamos a falar de extratos prensados a frio, macerações ou ainda alho envelhecido, que tem vindo a ser provado a sua eficácia e a ultrapassar as outras apresentações devido ao aumento da concentração das substâncias activas.
A nossa recomendação vai para 500 a 1000mg de óleo Alho por dia, como efeito protector ou 1 a 2 dentes crus e frescos por dia.
O seu uso excessivo ou em dosagens elevadas pode causar má digestão e irritabilidade da mucosa gástrica. Deve ser evitado se estiver a tomar drogas sintéticas, pode haver o risco de potenciar algumas. Suspender nos casos: se já teve algum sintoma alérgico após a sua ingestão, em grávidas, lactentes e crianças até quatro anos e em pré e pós operatótio pois tem efeito anti-plaquetário.

Fitoterapia: propriedades terapêuticas do gengibre

http://static.hsw.com.br/gif/traditional-chinese-medicine-internal-organ-syndromes-5.jpg
Pesquisas científicas comprovam que o gengibre possui propriedades antiinflamatórias, sendo considerado uma ótima solução para dores. As propriedades terapêuticas do gengibre são resultado da ação de várias substâncias (citral, borneol, zingerona, entre outras).
Desde a antigüidade o gengibre é um dos métodos mais populares de combater dores, por ser um ingrediente barato e saudável. Popularmente, o chá de gengibre, feito com pedaços do rizoma fresco fervido em água, é usado no tratamento contra gripes, tosse, resfriado e até ressaca.
Estudos comprovam que o gengibre é um excelente remédio para enjôo ou náuseas, e diferentemente das drogas, não provoca efeitos colaterais, nem sonolência, pois o gengibre não atua através do sistema nervoso. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde reconheceu a ação terapêutica dessa planta sobre o sistema digestivo, tornando-a oficialmente indicada para evitar enjôo e náuseas.
No Japão, massagens com óleo de gengibre são tratamentos tradicionais e famosos para problemas de coluna e articulações. Banhos e compressas quentes de gengibre são indicados para aliviar os sintomas de gota, artrite, dores de cabeça e na coluna, além de diminuir a congestão nasal e cólicas menstruais.
Acrescentar um pouco de gengibre para bloquear os gases produzidos por alguns alimentos como a ervilha, realmente são benéficos. Pesquisadores indianos estudando propriedades terapêuticas do gengibre comprovaram sua eficácia como antiflatulente.
De acordo com a fitoterapia chinesa, a raiz do gengibre apresenta as propriedades acre e quente. O gengibre é usado para aquecer o baço e o estômago expelindo o frio, bem como para aquecer os pulmões a fim de expelir secreções. A raiz também é usada contra a perda de apetite, membros frios, diarréia, vômitos e dor abdominal.
Devido a grande quantia de propriedades terapêuticas que possui, o gengibre é denominado por pesquisadores como “medicamento universal”.
Redação Bem de Saúde

NOME CIENTÍFICO - Zingiber officinale Roscoe
FAMÍLIA - Zingiberaceae
EXIGÊNCIA CLIMÁTICA - Quente (26º a 28º)
FORMA DE PROPAGAÇÃO - Rizoma

Gengibre

ORIGEM

A utilização de gengibre na culinária tem suas origens nas mais antigas civilizações. Os chineses já o usavam no Século VI a.C., e os comerciantes árabes, antes do primeiro Século d.C..

O gengibre chegou a Europa vindo do Oriente Médio com as Cruzadas e já era um ingrediente presente em quase todas as receitas de um livro de culinária da corte real inglesa datado de 1390. Os colonizadores espanhóis trouxeram o gengibre para o Novo Mundo no Século XVI.

RICA EM...

Vitamina A, B, B2, B5, C, potássio, sódio.

PROPRIEDADES MEDICINAIS

Carminativo, estimulante, laxante e andispético.

Utilizado para combater náuseas e vômitos relacionados ao enjôo em viagens.

Gengibre cristalizado e as bebidas não-alcoólicas à base de gengibre aliviam enjôos típicos da gravidez, a náusea decorrente de intoxicação alimentar, de gastroenterite ou da quimioterapia contra o câncer.

Vinho

Pode aliviar as cólica menstruais.

CONTRA-INDICAÇÃO

O gengibre cru ou cristalizado pode provocar irritações na mucosa da boca e em outras membranas mucosas.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Água-viva misteriosa foi causada por reflexo da aurora boreal em satélite?

Mikalsen capturou este fenômeno estranho que ele descreveu como um 'pára-quedas' ao tirar fotos da Aurora Boreal em Andenes, Noruega

Um objeto estranho em forma de água-viva avistado no céu sobre a Noruega, pode ter sido causado pela luz da aurora boreal sendo refletida em um satélite espacial, dizem especialistas.

Se comprovado, será o primeiro caso conhecido de um satélite refletindo as luzes do norte. O fenômeno misterioso foi fotografado na semana passada pelo fotógrafo amador Per-Arne Milkalsen sobre Andenesm, Noruega.

O fotógrafo ficou fascinado com as auroras boreais depois de trabalhar em um local de lançamento de foguetes no extremo norte do Noruega por 25 anos. As luzes do norte são frequentemente visíveis aqui porque é bem perto do Pólo Norte.


Mikalsen disse que esta entusiasmado para descobrir o que causou o fenômeno no canto superior direito na sua foto

As Auroras são causadas pela interação do vento solar com o campo magnético da Terra e por isso são particularmente visíveis nos pólos magnéticos onde as forças são mais fortes.

Mikalsen disse ao Mail Online: "Eu nunca vi um objeto como este antes, e estou ansioso para encontrar uma explicação para o fenômeno."No inicio o fotógrafo acreditou que o estranho efeito ótico era um ponto na lente da sua câmera.

Mas depois que ele publicou suas fotografias no site Spaceweather.com sua caixa de e-mails ficou abarrotada, com especialistas de todo o mundo interessados.

O cientista Truls Lynn Hansen do Observatório Geofísico de Tromsø disse duvidar que o objeto na foto, tirada em 20 de janeiro, apareceu devido a uma simples falha de câmera.

Ele disse ao Mail Online: "O fenômeno" tem a mesma cor esverdeada da aurora boreal. Isso significa que as Luzes do Norte são a fonte de luz que produziu o estranho fenômeno. "No entanto, Hansen disse que era improvável que as Luzes do Norte poderiam criar o efeito óptico por conta própria.

Em vez disso, Aurora pode ter encontrado uma fonte externa, como um satélite ou um avião. Deste modo, agiria como um "brilho de Iridium". A cintilação é criada pela luz solar refletida nos satélites de Iridium.


Satélites de irídio têm três antenas principais. Quando em um certo ângulo, a reflexão do Sol em uma antena produz uma pequena mancha na superfície da Terra com 10 quilômetros de diâmetro. Alguém dentro desta área pode observar na Terra o brilho de irídio ou flashes no céu


Elas aparecem como flashes luminosos brancos no céu. Um problema com a teoria de Hansen é que a intensidade da luz da aurora boreal é 100.000 vezes mais fraca do que a luz solar. Mas Hansen disse que isso não exclui a hipótese de reflexão por satélite.

"A intensidade de uma aurora não está longe da intensidade da luz da lua", disse ele. "E a água-viva (fenômeno) também é bastante fraca. Aparentemente, muitos niveis de magnitude abaixo, em comparação com a cintilação de Iridium solares.

"Pal Brekke, conselheiro no Centro Espacial Norueguês, disse ao Mail Online:" Um reflexo da rua seria a explicação mais simples. "Mas porque é verde?

Deve-se pensar que seria branco ou amarelo se fosse um reflexo da rua. "Então, por enquanto, ainda não estou totalmente convencido de que era um satélite - não se pode descartar isso."
Tradução: Carlos de Castro

Peixe-boi migra para áreas sem alimento para fugir de predadores, diz estudo

Peixes-boi ficam sem comida para evitar predadores.(Foto: Daniel Jordano-Inpa/Divulgação)


Cientistas rastrearam mamífero aquático com equipamento de rádio. Animal sai de zona com alimento farto na época de seca.

Por meio de rastreamento por rádio, cientistas conseguiram acompanhar a migração sazonal de dez peixes-boi no Amazonas ao longo de 12 anos e mostraram que, na época de seca, a espécie muda de habitat para fugir de predadores, ainda que precise passar fome durante esse período.

Artigo publicado na revista “Journal of Zoology” mostra que no período de maio a junho, quando há mais chuvas e os rios amazônicos enchem, os peixes-bois preferem ficar nas lagoas de várzea, onde encontram mais plantas para comer.

Entre outubro e novembro, no entanto, as águas baixam tanto nessas lagoas que a espécie fica muito ameaçada pelos seus predadores – como os jacarés, as onças e os seres humanos.

Por isso, migra para áreas de água mais profundas praticamente sem vegetação aquática que possa comer, o que o leva a jejuar por cerca de metade do ano.

A pesquisa foi realizada nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá e Amanã, no oeste do Amazonas.

Os autores concluem que o peixe-boi pode estar mais ameaçado do que se pensava anteriormente, já que a migração regular e a eventual permanência em áreas de águas rasas em busca de comida o tornam vulnerável.

Ribeirinhos usam antena para rastrear localização de peixe-boi. (Foto: Divulgação)

A pesquisa é de autoria de Eduardo Arraut, José Eduardo Mantovani, Evlyn Moraes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Miriam Marmontel, do Instituto Mamirauá, David Macdonald, da Universidade de Oxford, e Robert Kenward, do Centro de Ecologia e Hidrologia de Wallingford, no Reino Unido.

Armadilha caseira contra a dengue

Soluções são sempre bem vindas! Em uma reportagem apresentada no Jornal Hoje a respeito do combate ao mosquito da dengue foi apresentada uma armadilha bem simples de fazer, pois utiliza materiais que normalmente temos em casa e que podemos reciclar para montar a armadilha. Vale lembrar que para ela funcionar melhor, é importante manter o ambiente sem os criadouros comuns do mosquito como pneus, vasos, lixo ou áreas que possam acumular água parada que servem de ambiente para a reprodução dos insetos. A invenção foi desenvolvida pelo professor Maulori Cabral junto com um grupo de pesquisadores das Universidades Federais do Rio e Fiocruz.

Aprenda a fazer em casa uma armadilha para capturar o mosquito da dengue

Você vai precisar:

-Uma garrafa pet
-Um pedaço de micro tule
-Lixa
-Fita isolante
-Alpiste
-Arroz ou ração para gato
-Tesoura

Como fazer:
Corte a garrafa na altura em que ela começa a afunilar e lixe a parte interna do funil da garrafa. Coloque um pedaço de micro tule na boca da garrafa e fixe bem. Triture uma pequena quantidade de arroz, alpiste ou a ração para o gato e coloque no fundo da garrafa. Depois, prenda as duas partes da garrafa, o funil e a base, com a fita isolante. Verifique se a garrafa ficou bem vedada.

Funcionamento:
O alimento vai atrair o mosquito da dengue e logo larvas e ovos vão aparecer na garrafa. Para garantir se a larva é do mosquito da dengue, basta apontar uma lanterna para a garrafa. Se a larva fugir da luz é sinal que se trata do mosquito da dengue.

O poder do açaí

Do calórico açaí ao popular caldo de cana, vale tudo para repor as energias consumidas na malhação.

A pessoa sai da academia, atravessa a rua e vai direto tomar uma tigela de açaí, alimento altamente calórico. Parece contradição, mas não é. Quem pratica atividades físicas com freqüência (pelo menos uma hora por dia) tem necessidade de repor a energia gasta. Por isso, precisa de alimentos ricos em calorias. A receita, porém, não deve ser seguida por quem não faz esporte ou vai à academia apenas duas ou três vezes por semana. Veja quais são as comidas e bebidas que ajudam malhadores e atletas de plantão a ficar em forma e com a saúde em dia.

O poder do açaí

Segundo a nutricionista Andréa Abdala, professora do Instituto de Nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o consumo alimentar precisa repor a energia gasta. Quem pratica atividades físicas regularmente tem um gasto energético superior ao da maioria das pessoas. “O brasileiro consome, em média, 2.000 kcal por dia. Um esportista, porém, pode gastar 3.000 kcal por dia, dependendo da atividade que pratica. Isso significa que ele necessita consumir mais calorias do que as outras pessoas”, explica ela.

Mas como consumir mais calorias sem ter que dobrar a quantidade de comida ingerida? Consumindo alimentos com alta concentração calórica, como o açaí. O creme de abacate pode ter a mesma utilidade, sugere a nutricionista. Segundo ela, é preciso repor a energia gasta com calorias concentradas em preparações de consumo rápido.

“Seria trabalhoso e inviável o atleta dobrar as quantidades de arroz, feijão e carne consumidas. É mais produtivo e prático ingerir alimentos como o açaí, que, numa única tigela, concentra muitas calorias”, diz Andréa.

Caldo de cana, uma alternativa para os malhadores

O tradicional companheiro do pastel de feira pode ser muito útil aos praticantes assíduos de atividades físicas. Além de ser hidratante, o caldo de cana é rico em carboidratos, ferro e vitaminas. “Como o caldo de cana é rico em carboidratos e potássio, pode ser consumido durante e após a prática de esportes. É uma maneira de repor os eletrólitos, minerais e a água perdidos”, aconselha a nutricionista. A água de coco se presta ao mesmo papel, mas não é tão calórica.

Segundo Andréa, as bebidas podem ser alternativas aos isotônicos, usados para hidratar o organismo durante a prática pesada de atividades físicas. Essa reposição, aliás, é imprescindível, diz João Olyntho Machado Neto, especialista em medicina do esporte e médico do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). “A contração muscular do exercício gera energia e aumenta a temperatura corporal. Uma das formas de o organismo variar o mínimo possível este aumento é através do suor. Mas ele também causa efeitos colaterais. O principal é a perda de minerais e água.”

Banana, uma fonte de potássio muito apreciada

A banana é uma fruta rica em potássio e, por isso, tão apreciada por quem pratica esportes, como o tenista Gustavo Kuerten que, freqüentemente, é visto consumindo-a nas quadras. Segundo a nutricionista Andréa Abdala, ela hidrata e repõe minerais, assim como a água de coco e as bebidas isotônicas.

Ela alerta, no entanto, que o consumo de alimentos calóricos não deve ser feito por qualquer um. Mesmo os que praticam atividade física regularmente devem avaliar quais são os seus objetivos. Se for perder peso, açaí, abacate e caldo de cana não são recomendáveis, diz Andréa. “Se a pessoa quiser apenas manter a forma, porém, esses alimentos não são prejudiciais. Tudo depende também da carga de exercícios. Quanto maior ela for, mais energia precisa ser reposta.”

Obesidade pode ser contagiosa, segundo pesquisa

A obesidade pode ser contraída através de um vírus igual ao de um resfriado comum. Segundo especialistas do Centro de Pesquisas Biomédicas de Pennington, na Louisiana, nos Estados Unidos, o adenovírus - altamente infeccioso e cujo contágio ocorreria através da tosse ou de mãos sujas -, faz com que se multipliquem as células adiposas.

Os cientistas norte-americanos descobriram que os frangos e ratos de laboratório infectados por esse vírus engordavam muito mais rapidamente que os animais que não foram contagiados, embora ingerissem a mesma quantidade de comida. Os estudos realizados em humanos indicam que quase um terço dos adultos obesos tem esse vírus, contra 11% dos indivíduos que não sofrem sobrepeso.

"O vírus entra nos pulmões e se propaga rapidamente pelo corpo. Ele viaja para vários órgãos e tecidos, como o fígado, os rins, o cérebro e o tecido adiposo", declarou o diretor da equipe, Mikhil Dhurandhar, à rede britânica de comunicação BBC. "Quando o vírus chega ao tecido adiposo, ele se replica, produz mais cópias de si mesmo, um processo que por sua vez aumenta o número de novas células adiposas, o que pode explicar a expansão desse tecido no corpo", complementou Dhurandhar.

Segundo o cientista, esse tipo de efeito do vírus continua muito tempo após os infectados se recuperarem do resfriado. Ele reconheceu que há outras razões pelas quais as pessoas podem sofrer sobrepeso, motivo pelo qual "não faz sentido evitar os gordos para prevenir a infecção de obesidade", disse ele.

Dhurandhar prevê que de cinco a dez anos possa haver uma vacina contra esse vírus. No entanto, segundo Ian Campbell, diretor médico da organização contra a obesidade Weight Concern, "um vírus não pode ser razão suficiente para que tenhamos uma epidemia de obesidade".

"Há muitos outros fatores, como ingerirmos muito mais calorias do que gastamos, ou vivermos sedentariamente. Não acho que nossos hábitos alimentares sejam conseqüência de uma infecção virótica: tudo é conseqüência da expansão das empresas que produzem alimentos doentios", declarou.

Obesidade

Adicionar imagem

A obesidade hoje é considerada uma doença e caracteriza-se pelo excesso de gordura no corpo, representando um dos grandes problemas de saúde pública no mundo inteiro.

Quase 1/3 da população mundial está acima do peso. A obesidade é medida usando uma escala chamada índice de massa corpórea ou IMC, que é calculada usando seu peso e altura (vide fórmula). Um IMC maior que 30 é considerado obesidade.

IMC =

Peso atual - em kg


Altura²(em metros)


REFERÊNCIAS

18,5 - 24,99 -----------NORMAL
22,0 ----------------------IDEAL PARA HOMENS
20,8 ----------------------IDEAL PARA MULHERES

25,0 - 29,99 ----sobre peso de 1ºgrau – Pré-obeso
30,0 - 39,90-----sobre peso de 2ºgrau - Obeso
40,0 ou mais ---sobre peso de 3ºgrau –Obeso Mórbido

A obesidade não é um problema moral, não é um problema mental ou de falta de força de vontade, seu tratamento implica na redução da mortalidade de pessoas que teriam suas vidas interrompidas precocemente. Infelizmente não existe milagre que promova a perda de peso sem a colaboração e a motivação da pessoa; os sacrifícios portanto precisam ser conhecidos.

A obesidade pode aumentar o risco da pessoa desenvolver várias condições, como diabete, pressão alta, doenças do coração e algumas formas de câncer. Muitos riscos à saúde são mais altos nas pessoas obesas, e os riscos podem aumentar como o grau de aumento da obesidade. Em particular, as pessoas que ganham peso extra ao redor da cintura, ao invés de nas pernas e nas coxas, têm maior chance de ter problemas de saúde causados pela obesidade.

As pessoas ficam obesas por várias razões. Freqüentemente, vários destes fatores estão envolvidos. Algumas das razões mais comuns para obesidade são:

  • Influências genéticas — Apesar de representar um papel importante na determinação da obesidade, este é ainda um fator que a maioria da população não consegue mudar.

· Fatores emocionais tais como:

- Perda de um ente querido,
- Ruptura amorosa,
- Mudança de cidade,
- Perda do emprego,
- Deixar de fumar,
- Abandono da prática de esportes,
- Devido a um “stress” pós-cirúrgico,
- Após o casamento
.

  • Influências fisiológicas — Este aspecto representa todas as diferenças individuais relacionadas aos hormônios determinando taxas metabólicas diferentes, o que significa que os corpos de diferentes pessoas queimam a comida de forma diferente. Pessoas com uma taxa metabólica alta podem exigir mais calorias para manter o mesmo peso corporal em relação a alguém cuja taxa metabólica é baixa.
  • Ingestão de comida e transtornos alimentares — Aqui residem as diferenças na qualidade da comida que cada pessoa ingere, especialmente as comidas que têm alto teor de gorduras e calorias. A compulsão e sua característica obsessiva pode determinar um comportamento tal que resulta em uma desordem alimentar.
  • Estilo de vida — A vida sedentária é um importante fator de risco mais de se tornar obeso. Hábitos alimentares entre as famílias são cruciais principalmente na infância e adolescência na determinação da obesidade de seus membros.
  • Progressão do peso em relação a idade — Se a pessoa manteve acima do peso na infância e na adolescência, é provável fique obesa quando se tornar adulta.
  • Medicamentos — O uso de anticoncepcionais, antialérgicos, corticóides, calmantes e sedativos oferece risco adicional para a obesidade.
  • Gravidez — Aproximadamente quinze por cento das mulheres permanecem acima do peso após cada gravidez.

· Fatores Orgânicos – Alguns tumores cerebrais como os gliomas e doenças como a esclerose tuberosa, por sua localização e tipo de lesão, podem comprometer o funcionamento do regulador de gordura (lipostato) e provocar a obesidade.

Quadro Clínico

  • Peso corporal acima da média,
  • Falta de ar,
  • Insônia (dificuldade para dormir),
  • Apnéia do sono (problema onde ocorrem interrupções da respiração durante o sono),
  • Varizes nas pernas,
  • Eczemas causados pela umidade que se acumula nas dobras da pele,
  • Colelitíase (pedras na vesícula biliar),
  • Osteoartrite, especialmente dos joelhos e dos tornozelos,
  • Tendência à pressão alta (hipertensão),
  • Níveis elevados de açúcar no sangue (tendência ao diabetes tipo II),
  • Hipercolesterolemia (colesterol e triglicérides elevados).

Diagnóstico

Atualmente a obesidade é definida pelo cálculo do índice de massa corporal (IMC) – veja tabela acima. Um IMC de 30 ou mais define obesidade.

Pessoas que concentram a maior parte de seu peso ao redor da cintura tem um risco maior de doença do coração e de diabete que as pessoas com quadris largos e coxas grossas.

gordura corporal também pode ser calculada usando um paquímetro, um instrumento que mede a dobra da pele.

Prevenção

Para prevenir a obesidade e manter um peso corporal saudável ao longo da vida, faça uma dieta sensata e pratique exercícios regularmente. Prevenir a obesidade é importante porque depois que as células gordurosas se multiplicaram, elas não irão desaparecer espontaneamente.

Tratamento

A redução do peso é alcançada pelo consumo de menos calorias e com a prática de atividade física.

Programas estruturados e terapias para reduzir o peso incluem:

  • Modificações na dieta:
    • Ter como objetivo a perda de peso progressiva e não muito rápida para alcançar sucesso mais definitivo e evitar o efeito sanfona;
    • Interromper o uso de bebidas alcoólicas;
    • Seguir rigorosamente as orientações de dieta do endocrinologista / nutricionista,
    • O empenho do paciente em seguir a dieta é determinante no sucesso da perda de peso;
    • As gorduras têm duas vezes mais calorias por grama que os carboidratos ou as proteínas. Se você cortou os carboidratos da dieta, você ainda pode precisar limitar a gordura ou optar por gorduras saudáveis.
  • Exercícios regulares — A prática de exercícios físicos moderados diariamente, tal como caminhar é quesito indispensável no controle do peso corporal. Se você mora em apartamento, exercite-se evitando o elevador e optando pelas escadas. Experimente ir para o trabalho ou para lugares não muito longes à pe ao invés de usar o carro.
  • Remédios e Ervas Naturais – Muitas pessoas confundem os benefícios das plantas medicinais na redução do peso com fórmulas e combinações perigosas que alguns inescrupulosos tem prescrito a seus pacientes. Consulte um endocrinologista antes de comprar estas fórmulas mágicas.
  • Medicamentos vendidos somente com receita médica — Estes medicamentos incluem a Sibutramina (Plenty ® e Reductil ®), o Orlistat (Xenical ®) que inibe a absorção de gordura da dieta e os derivados de anfetamina.

· Cirurgia — Se obesidade é severa (um IMC maior que 40), os médicos podem recomendar um procedimento cirúrgico para limitar a quantidade de comida que o corpo pode digerir. A cirurgia bariátrica (nome utilizado para se definir a cirurgia para a obesidade mórbida) é o único método cientificamente comprovado que promove uma acentuada e duradoura perda de peso, reduzindo as taxas de mortalidade e resolvendo, ou pelo menos minimizando, uma série de doenças associadas à obesidade grave.

Que médico procurar?

Procure um (a) endocrinologista se você precisa de ajuda para perder peso, ou se você tem quaisquer dos sintomas ou complicações da obesidade. Um (a) nutricionista também pode ajudar muito.

Prognóstico.

A obesidade é um problema que freqüentemente dura a vida toda. Uma vez o peso em excesso é ganho, não é fácil perdê-lo, o que se agrava com a idade do indivíduo. E uma vez a pessoa tenha perdido peso, ela terá que se esforçar para manter-se com o peso mais saudável. O tempo que se leva para alcançar a meta de peso depende do quanto a pessoa tem que perder, seu nível de atividade física e o tipo de tratamento ou programa de perda de peso que ela escolhe. As doenças associadas à obesidade freqüentemente melhoram quando a pessoa perde peso.


Dietas Da Moda Funcionam?


Emagrecer ou manter o peso não é fácil, mas qual será a dieta ideal?

Dieta com Baixo Carboidrato/ Proteínas

Esta dieta é baseada na teoria que o corpo libera insulina quando você consome carboidratos e isto facilita a transformação deles em gorduras. Assim, esta dieta aumenta o consumo de proteínas para evitar isto. A mais famosa é a do Dr. Atkins, com praticamente nenhum consumo de carboidrato no início, e muitos alimentos ricos em proteínas e gorduras, e depois pouca quantidade de frutas e hortaliças ao longo da dieta. Depois surgiram outras menos drásticas, com uma redução menor de carboidratos. Realmente esta dieta emagrece rápido pois a perda de água é maior quando se retira o carboidrato da dieta. Além disso, este sistema leva a queima mais rápida de gorduras, pois o corpo se utiliza delas para gerar energia. Mas, da mesma maneira, ao retornar a dieta convencional com carboidratos, você normalmente recupera o que foi perdido, e engorda. Além disso, ela pode prejudicar os rins. Outro problema é que alimentos ricos em proteínas também podem esconder altos teores de gorduras, principalmente as saturadas e colesterol. E como os carboidratos também incluem frutas e hortaliças, e você não as consome, acaba ficando com uma alimentação deficiente em vitaminas, fibras e minerais. Assim, o ideal seria um meio termo, onde as frutas e hortaliças fossem incluídas, além de carboidratos complexos como grãos e cereais e alimentos refinados ricos em açúcares ou muita farinha de trigo, por exemplo, fossem excluídos. E no caso das carnes, aves e peixes, usar sempre as versões com menos gorduras.

Shakes de Emagrecimento

Aqui, a idéia é que substituindo alimentos líquidos pelas refeições, você consome menos calorias, já que estas bebidas são balanceadas e contém os nutrientes que você precisa, incluindo fibras. Muitos destes shakes também orientam para incluir uma salada ou alimentos leves em pelo menos uma das refeições do dia. O problema é que por ser uma dieta monótona, as pessoas acabam enjoando ou consumindo outros alimentos não tão leves junto com os shakes, prejudicando a dieta. Além disso, sentem falta de visualizar o que estão consumindo, além de não praticarem o ato de mastigar.

Dieta da Sopa

É o mesmo problema da dieta anterior. A monotonia acaba fazendo com que as pessoas desistam ou consumam outros alimentos. Assim, ela pode ser interessante por uns dois dias até como forma de desintoxicar o organismo, já que é rica em alimentos naturalmente diuréticos como o repolho, e ajuda a preparar para uma redução no consumo alimentar. Mas depois, o ideal é seguir uma alimentação balanceada.

Dieta de Redução de Gorduras

Na teoria, a idéia é consumir alimentos ricos em fibras, frutas, hortaliças, cereais e grãos e diminuir o consumo de gorduras. No caso das fontes de proteína, escolher carnes mais magras e laticínios com redução de gorduras. Segundo a Organização Mundial de Saúde, devemos consumir até 30% de calorias provenientes de gorduras, reduzindo também as gorduras saturadas para evitar problemas cardiovasculares e outras doenças. Esta dieta é bem equilibrada, além de ser rica em fibras, que dá a sensação de saciedade e ajuda a manter a fome sob controle. Só não podemos exagerar na quantidade de carboidratos refinados como farinhas, pães e açúcares que em excesso também se transformam em gordura no nosso corpo.

Em resumo, a dieta ideal é aquela onde consumimos alimentos ricos em nutrientes, com menos gorduras e moderadamente. Outro ponto importante é lembrar que sem atividade física é muito difícil atingir este objetivo, pois para emagrecer precisamos consumir menos calorias do que gastamos. E para isto o exercício é um ótimo aliado. Mas saber isto, todos nós sabemos. O problema é conseguir executar. É importante prestar atenção ao que comemos e como comemos. Um lugar calmo, um prato colorido, comer lentamente e mastigando várias vezes, faz parte deste objetivo.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Conheça os benefícios da soja

Pmesquisadores brasileiros estão conseguindo potencializar os efeitos da soja no organismo. Esse grão diinui os efeitos da menopausa, combate o câncer e retarda o envelhecimento.

Aos 80 anos de idade um pesquisador da Universidade de Campinas tem um segredo para toda essa energia. “Todos os dias estou tomando soja também”, conta Cléber Silveira Moraes, doutor em ciências de alimentos (Unicamp).
Ele conhece os benefícios. É o responsável pela descoberta de um composto que extrai os nutrientes da soja.
O estudo isolou a isoflavona, substância química que substitui os hormônios femininos reduzidos durante a menopausa. Ela tem uma absorção difícil no organismo por causa da glicose e boa parte dos nutrientes acaba eliminada. No laboratório da Unicamp o trabalho do pesquisador foi separar a glicose da isoflavona, para evitar a perda dos nutrientes.
“Seria como potencializar a absorção desse composto, no caso a isoflavona. Ela sem a glicose é mais facilmente absorvida. Portanto depois de absorvida ela vai trazer todos os benefícios com maior intensidade”, explica.
Os benefícios são muitos. “Estudos mostram que a isoflavona pode diminuir os feitos da menopausa nas mulheres como sudorese, dores e cansaço. Como é um alimento funcional pode atuar em várias funções. Ela também tem atividade anti-cancerígena, principalmente câncer de mama e próstata, ela tem atividade antioxidante, envelhecimento precoce. Além disso é usado na osteoporose, redução do colesterol”.
A soja ainda tem vitamina E que combate o envelhecimento, saponina que previne esclerose das artérias, lecitina que ativa células do cérebro, fibras que ajudam no funcionamento do intestino e o cálcio que fortalece os ossos.
Os benefícios são comprovados pela ciência e pelos orientais que esbanjam vitalidade com ingestão diária no cardápio. Alguns produtos a base de soja são mais indicados, pois tem uma melhor absorção dos nutrientes no organismo. É o caso do queijo tofu, e do missushyro, feito a base dessa pasta que é o myssu.
Por que esses alimentos são mais saudáveis? “Porque eles são fermentados. No processo eles recebem bactérias que quebram a cadeia de nutrientes e então fica melhor para serem digeridos”, explica a nutricionista.
A nutricionista mostra algumas opções para o consumo de soja. “Nós temos o extrato de soja puro, com isso você pode preparar receitas de bolo, pudim e biscoitos. Aqui nós trouxemos uma sugestão de salada de frutas, com uma farofa de soja, moída. Nós temos o leite em duas versões. Nós fazemos de um jeito em que fique com mais nutrientes. Você pode bater com uma fruta de sua preferência”.
Para ter o efeito benéfico a indicação é de 30 miligramas por dia. Isso equivale a duas colheres de sopa do produto in natura.
No caso do tofu essa quantidade pode ser obtida com duas fatias do queijo. Já no leite a recomendação diária só é atendida com a ingestão de um litro de leite.
Uma dica importante: para consumir a soja você deve cozinha-lá primeiro. O legal é bater em um liquidificador o grão já cozido com a água da fervura. Fica como um purê. Assim você não perde a isoflavona que foi liberada na água.

Ginkgo biloba tem poder


Nome Científico: Ginkgo biloba L.
Nome popular: Nogueira-do-japão
Origem: Extremo Oriente
Aspecto: As folhas se dispõem em leque e são semelhantes ao trevo. A altura da árvore pode chegar a 40 metros. O fruto lembra uma ameixa e contém uma noz que pode ser assada e comida

Pesquisas alimentam a esperança de que a planta do Oriente previna (e ataque) tumores no ovário, na mama, no cérebro e no fígado. Com o seu extrato por perto, as células malignas se autodestroem.

A ginkgo biloba foi a primeira planta a brotar após a destruição provocada pela bomba atômica na cidade de Hiroshima, no Japão

A ginkgo já é famosa por suas façanhas. O extrato obtido de suas folhas comprovadamente reduz as tonturas, refresca a memória, alivia as dores nas pernas e nos braços e acaba com o zumbido no ouvido. Por tudo isso ela arrebanhou uma vasta clientela, composta na maior parte por idosos. Mas suspeita-se que o poder dessa planta de folhas de formato de leque vá além. Estudos realizados em laboratório e com seres humanos sugerem sua capacidade de prevenir e atacar tumores — mais um importante item que se acrescenta ao seu currículo.

Uma das pesquisas que obtiveram resultados mais estrondosos foi concluída no final do ano passado. Ao todo, 1 388 mulheres foram acompanhadas por seis meses. Todas relataram tomar algum tipo de remédio fitoterápico — equinácea, ervade- são-joão, ginseng e ginkgo. As que ingeriram esta última diariamente tiveram uma incidência 60% menor de tumores de ovário. Para entender o que estava ocorrendo, os surpresos cientistas levaram a ginkgo para dentro do laboratório. Lá misturaram o extrato da planta a culturas de células de ovário cancerosas. Bastou uma pequena dose para que o crescimento delas fosse reduzido em 80%.

ESTUDO PIONEIRO
Foi a primeira vez que se vislumbrou uma relação entre a ginkgo e o combate ao câncer de ovário. "Como o nosso estudo é pioneiro, as conclusões precisam ser confirmadas por novos trabalhos", disse à SAÚDE! Daniel Cramer, diretor de Obstetrícia e Ginecologia Epidemiológica do Brigham and Women's Hospital, ligado à Escola Médica Harvard, nos Estados Unidos. "Até que outras investigações sejam feitas, acredito que mulheres com mais de 50 anos e histórico familiar de câncer de ovário deveriam considerar tomar ginkgo", diz ele.

Quando se fala em tumores em geral, o relatório de Cramer não é tão inovador assim. Mais de 50 estudos sobre ginkgo e câncer já foram catalogados. Em 2002 uma pesquisa conduzida pelo grego Vassilios Papadopoulos mostrou em laboratório e em testes clínicos que a ginkgo inibe o crescimento agressivo de tumores de mama. Também existem trabalhos sobre câncer cerebral e de fígado. "Essa já não é uma área de pesquisa em sua infância", diz Nise Yamaguchi, pesquisadora da USP e vice- presidente do Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer, em São Paulo. "Já existem muitos estudos consistentes. E com conclusões parecidas."

A maneira como a ginkgo e seus componentes agem em escala celular ainda não foi totalmente decifrada, mas há algumas hipóteses. "Talvez a planta esteja envolvida com a habilidade do organismo de causar apoptose, a morte programada de células defeituosas", diz Cramer (veja infográfico na próxima página). Outras estratégias descritas em diferentes trabalhos são sua habilidade para inibir os vasos que alimentam o câncer e sua capacidade de evitar danos ao DNA. Esses efeitos são obtidos por meio da ação de duas substâncias, os terpenóides e os bioflavonóides. Os primeiros viraram objeto de estudo mais recentemente. Os bioflavonóides, contudo, são conhecidos de longa data. Agem como antioxidantes, combatendo os radicais livres e impedindo o envelhecimento. Ambos fazem parte do mesmo extrato, o EGb 761 — matéria-prima dos comprimidos vendidos em farmácias.

O comprimido de ginkgo biloba desencadeia diversas reações que vão desde os pés até os ouvidos. Os vasos sangüíneos se dilatam e o sangue fica menos viscoso (mais "fino", como se diz). Assim, corre mais rápido, com mais facilidade, e alcança melhor os lugares mais distantes do coração. O labirinto, estrutura que pertence ao ouvido, passa a ser mais bem irrigado e oxigenado, o que ajuda a acabar com tonturas e zumbidos. As áreas do cérebro responsáveis pela memória e pelo raciocínio ficam mais despertas. O fluxo mais intenso também acaba com as dores nos braços e nas pernas, comuns na terceira idade. "A ginkgo produz muitos resultados e por isso divide com a ervade- são-joão o título de planta mais estudada na atualidade", afirma João Batista Calixto, professor de farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e autoridade brasileira em medicamentos fitoterápicos.

Entre todas as benesses creditadas à planta, uma passou a ser questionada recentemente. É a que se refere à contribuição da ginkgo aos pacientes com Alzheimer. "Possivelmente o benefício seja alcançado apenas se a droga for utilizada de forma preventiva, anos antes do início da doença", diz Orestes Forlenza, psiquiatra e pesquisador do Laboratório de Neurociências da Universidade de São Paulo. "Os estudos clínicos da ginkgo para o tratamento de demências não demonstraram vantagens consistentes, possivelmente porque já era tarde demais e o tamanho do efeito era muito pequeno para modificar o curso clínico", explica o pesquisador, que fez uma revisão da literatura médica sobre o assunto.

São raros os casos de efeitos colaterais advindos da ingestão de ginkgo, mas não se pode ignorá-los. O remédio possui tarja vermelha e só pode ser vendido com receita médica (a dose máxima recomendada é de 240 mg/dia). Esse cuidado existe porque, ao dilatar os vasos sangüíneos, a ginkgo pode provocar enxaqueca e aumentar a sensibilidade da pele, causando alergias. Esse problema é maior nas cápsulas de pó macerado e nas folhas para chá, vendidas em lojas de produtos naturais. Além de ter a eficiência questionada (veja o quadro na próxima página), elas possuem grandes quantidades de um ácido capaz de irritar a pele. Ao afinar o sangue, a planta também pode causar sangramentos (antes de submeter um paciente a cirurgia, os médicos costumam pedir que cesse a ingestão do comprimido). Na bula do medicamento há ainda advertências com relação a distúrbios gastrointestinas e queda de pressão arterial. "A ginkgo é uma planta segura, mas deve ser usada com cautela", resume o americano Daniel Cramer.

MORTE PROGRAMADA
Na presença da ginkgo, as células malignas se autodestroem

1 - PROCESSO NORMAL
Quando alguma célula se danifica, sofre radiação ou infecção, o organismo envia uma ordem para que ela se autodestrua. Esse processo é chamado de apoptose.

2 - CÉLULAS TUMORAIS
De vez em quando surgem células malignas que podem se multiplicar desordenadamente. O corpo manda a mesma ordem de implosão, mas elas não obedecem.

3 - COM GINKGO
Na presença da ginkgo, as células tumorais ficam menos "teimosas". Quando a
mensagem chega, a célula pode ter a membrana rompida. Os restos são comidos
por fagócitos, defensores do corpo.

O QUE JÁ SE COMPROVOU?
Dos muitos benefícios atribuídos à ginkgo, alguns foram validados pela literatura científica e outros, desacreditados




ZUMBIDOS NO OUVIDO E TONTURA
São os principais chamarizes da planta. Ao aumentar a circulação no labirinto, estrutura interna do ouvido, a ginkgo diminui zumbidos e melhora a sensação de equilíbrio.



DORES EM BRAÇOS E PERNAS


Os benefícios do extrato para a circulação se refletem na melhor irrigação das áreas mais distantes do coração, o que alivia as dores nos membros.



ENVELHECIMENTO


Seus bioflavonóides são antioxidantes que combatem os radicais livres e evitam danos às células, acumulados com a idade.



CÂNCER DE OVÁRIO
Um estudo publicado em outubro de 2005 mostrou que a incidência desses tumores diminuiu entre 60% e 70% nas mulheres que ingeriram comprimidos com extrato de ginkgo.



CÂNCER DE MAMA


Testes preliminares em laboratórios e estudos clínicos publicados em 2002 indicaram que o extrato das folhas pode inibir a proliferação agressiva de tumores de mama.



MEMÓRIA


A Organização Mundial da Saúde considera que a ginkgo melhora a capacidade de memória e de aprendizado, mas estudos recentes começam a pôr em dúvida se o efeito persiste no longo prazo.



ALZHEIMER
A ginkgo já foi aprovada em alguns países para ajudar na prevenção dessa doença. Contudo, novos testes não mostraram benefícios consistentes quando o mal já está instalado.






ALENTO EM CHERNOBYL
Em 1986 a usina nuclear de Chernobyl, na então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, sofreu uma forte explosão de vapor seguida de incêndio. Mais de 200 mil pessoas tiveram de ser transferidas para evitar os efeitos da radiação. Um estudo publicado em 1995 ministrou extrato de ginkgo para 30 trabalhadores que estavam na área do acidente. Por dois meses eles tomaram três comprimidos de 40 mg. Ao final, a ginkgo reduziu os efeitos colaterais provocados pelas radiações excessivas e diminuiu o número de porções alteradas no DNA desses homens.

PRODUÇÃO GLOBAL
O extrato usado nos comprimidos viaja pelo mundo antes de chegar às prateleiras das farmácias. Em geral, as árvores são cultivadas na região de Bordeaux, na França, e na Carolina do Sul, nos Estados Unidos — tidas como as mais adequadas para o cultivo da planta. Depois de colhidas, as folhas são enviadas à Irlanda para serem extraídas. Em seguida a matéria-prima é exportada para vários países (o Brasil é um deles) onde os comprimidos são feitos e embalados.

DÁ PARA CONFIAR?
Nas farmácias brasileiras, os comprimidos de extrato de ginkgo vendidos só com receita médica competem com cápsulas de pó moído e folhas, em embalagens expostas nas prateleiras ao alcance do consumidor. Muita gente relata efeitos benéficos advindos dessas fórmulas alternativas. Mas seriam elas tão eficazes quanto os comprimidos? A resposta é não. Pesquisadores da UFSC fizeram testes para saber quanto tem de componentes do extrato EGb 761 nessas cápsulas e nas folhas da planta. Conclusão: para obter a mesma quantidade de um único comprimido de 120 mg seriam necessárias 20 cápsulas de 200 mg de pó moído. Quanto ao chá, a eficácia depende da qualidade da matéria-prima. "Mas seria preciso ingerir grande quantidade, já que os teores das substâncias ativas no chá caseiro são baixos", afirma Cláudia Simões, autora do trabalho e pesquisadora da UFSC. "A proporção ideal só é obtida com os extratos secos padronizados."

Estudo com 3.000 pessoas quer desvendar diabetes pelo DNA

Grã-Bretanha iniciou o maior estudo já feito em relação a diabetes tipo 2: A "exploração de profundidade sem precedentes" deve custar cerca de 15 milhões de libras (mais de 41 milhões de reais) e consiste na leitura completa do DNA de 3.000 pessoas - dez vezes mais do que os genomas sequenciados até agora.

O objetivo é encontrar novas formas de diagnóstico e tratamentos mais eficientes e até uma maneira de prevenir a doença, segundo reportagem publicada no jornal The Times. Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas sofram de diabetes na Grã-Bretanha.

O estudo investiga a influência das condições do DNA, tais como doenças cardíacas, derrames e câncer. "Estamos caminhando para uma nova fase da pesquisa genômica. Seremos capazes de apontar muito mais efeitos genéticos da doença, compreender a biologia de forma mais completa e dar à indústria farmacêutica novos alvos para medicamentos", disse Mark McCarthy, professor de Diabetes da Universidade de Oxford, que está conduzindo os trabalhos.

Para que isso seja possível, genomas de pessoas saudáveis (1.500 voluntários) são comparados aos de pacientes com diabetes tipo 2 (a outra metade do grupo). Uma primeira análise já encontrou centenas de variações entre ambos. O trabalho deverá ser concluído em meados de 2011.

Fitoterapia: Chá de folha de oliveira

Pesquisas realizadas pela Universidade Metodista de Piracicaba, garantem alto poder antioxidante e estimula o metabolismo a eliminar gordura, mais poderoso que o chá verde.






Como preparar o Chá:
PARTES USADAS: Folhas
INDICAÇÃO: O chá das Folhas de Oliveira têm sido usado desde os tempos antigos com propósitos medicinais, e novas pesquisas mostram que tem propriedades antibacterianas, antiinflamatórias, antioxidantes, colesterol, hipertensão e radicais livres.
COMO FAZER: 3 colheres/sopa de erva para um litro de água quando a água alcançar fervura desligue. Tampe e deixe a solução abafada por cerca de 10 minutos. Em seguida é só coar e beber.
COMO BEBER: Tomar 3 a 4 xícaras ao dia.
Considerado 300% mais poderoso que o chá verde, as folhas da árvore da azeitona possuem quase o quadrúplo de potássio, magnésio, manganês, fósforo, selênio, cobre e zinco.

Mangaba se mostra eficaz no combate à hipertensão

O que a sabedoria popular já dizia, agora foi comprovado em pesquisa científica e, mais do que isso, o resultado surpreendeu os farmacêuticos.

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais estão animados com os primeiros testes com plantas para tratamento da hipertensão. A mangabeira, por exemplo, se mostrou muito mais eficaz que o remédio mais vendido contra a pressão alta.

Ela já foi tão comum que deu nome ao Parque das Mangabeiras, em Belo Horizonte. Nas lojas de produtos naturais, é procurada pelo nome do fruto, mangaba, e vendida como cascas do tronco.
“Para controle de diabetes, colesterol e hipertensão, para quem tem pressão alta”, disse a vendedora de ervas Silvana Morais.
O que a sabedoria popular já dizia, agora foi comprovado em pesquisa científica e, mais do que isso, o resultado surpreendeu os farmacêuticos.
No combate à hipertensão, a mangabeira tem substâncias que na dose certa podem ser mais potentes e mais eficientes que remédios muitos usados hoje.
Os pesquisadores fizeram um extrato da folha, dissolveram em água e serviram a camundongos hipertensos.
As análises mostraram que o chá da mangabeira tem três princípios ativos. Juntos, eles são até dez vezes mais potentes do que o captopril, usado no tratamento da pressão alta.
O chá ainda tem uma qualidade extra: além de inibir a produção de substâncias que causam a hipertensão, ele também é vasodilatador. Nos animais, a pressão arterial baixou e ficou controlada.
“O uso do medicamento se faz em doses muito mais baixas e muito mais efetivas do que o chá preparado rotineiramente”, disse Virgínia Soares Lemos, professora do Departamento de Farmacologia da UFMG.
O comerciante Daniel Gonçalves toma o chá de casca de mangabeira há seis meses. Conheceu a receita com um sertanejo baiano.
“Realmente baixou minha pressão. O último exame que eu fiz foi em janeiro desse ano e realmente comprovou essa eficácia da mangaba”.
A especialista em plantas medicinais, Maria das Graças Lins Brandão, professora da UFMG, alerta que não se deve trocar medicamentos por chá sem autorização médica.
“O perigo é de fazer o remédio de forma inadequada, extrair uma quantidade grande de princípio ativo, usar uma dose excessiva e fazer até mal ou não fazer o efeito adequado”.
Os testes em humanos devem começar neste ano. A pesquisa também investiga os poderes da raiz do olho-de-boi contra a pressão alta.

Fonte: Jornal nacional

Hancornia speciosa Gomez Família Apocynaceae

Nomes Populares

Mangabeira e mangaba

Sinonímia Botânica

Echiets glauca Roem. & Schult.

Características Morfológicas

Planta lactescente, com 5-7m de altura, dotada de copa arredondada. Tronco tortuoso, bastante ramificado, revestido por casca suberosa mais ou menos áspera, de 20-30cm de diâmetro. Folhas simples, glabras nas duas faces, brilhantes, coriáceas, de 7-10cm de comprimento por 3-4cm de largura, de coloração avermelhada quando novas e ao caírem. Inflorescências fasciculadas, com flores perfumadas de cor branca. Fruto baga globosa, glabra, com polpa carnosa e comestível, contendo muitas sementes.

Ocorrência

Região nordeste do país na caatinga e, nos estados centrais até São Paulo e Mato Grosso do Sul no cerrado. E também encontrada na região litorânea e em algumas regiões do Pará e no vale do Rio Tapajós na região amazônica.

Madeira

Madeira muito pesada (densidade 1,19 g/cm3), de grande resistência mecânica e praticamente imputrescível;
alburno diferenciado do cerne e facilmente decomposto.

Fenologia

Floresce durante os meses de setembro-novembro, ainda com os frutos da florada anterior na planta. Os frutos amadurecem em novembro-janeiro.

Utilidade

A madeira é empregada apenas para caixotaria e para lenha e carvão. Seus frutos são comestíveis e muito apreciados, pricipalmente na região Nordeste do país, onde são regularmente comercializados nas feiras e, industrializados na forma de sorvete e doces. É cultivada na caatinga para a industrialização de seus frutos. Os frutos são também consumidos por algumas espécies de animais silvestres. A árvore, pelo porte e forma da copa pode ser utilizada na arborização de ruas estreitas.

Fonte: www.clubedasemente.org.br

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Espermatozóides dos ratos cooperam para ganharem a corrida ao óvulo

Estudo revela que estes espermatozóides têm comportamento diferente dos humanos

Um comboio de espermatozóides
Um comboio de espermatozóides
Investigadores da Universidade de Harvard (Estados Unidos da América) descobriram que o espermatozóide dos ratos faz algo que o dos humanos não é capaz.
Num estudo publicado na «Nature», explica-se que os espermatozóides de um mesmo roedor são capazes de se reconhecerem e unirem-se para chegarem ao óvulo primeiro que os seus rivais. Claro que só em caso de haver espermatozóides de outros ratos é que estes se inter-ajudam.
A descoberta revelou que mais do que serem células carregadas de DNA, os espermatozóides desenvolveram um sofisticado “comportamento social” que lhes permite utilizar truques para ganhar a corrida ao óvulo.
Os espermatozóides formam comboios. Várias dezenas de células agregam-se umas às outras, ancorando-se nas cabeças, e “nadam” em conjunto. Este comboio pode correr 50 por cento mais rápido do que uma célula solitária.
Os investigadores Heidi Fisher e Hopi Hoekstra estudaram este processo nas espécies de ratos Peromyscus maniculatus e na Peromyscus polionotus, que habitam diferentes partes da América do Norte.